Visto B1/B2 – o que é, como emitir e quem precisa solicitar

Para quem opta pelos Estados Unidos precisa saber que há uma série de vistos que correspondem a diferentes tipos de entradas. Hoje, especificamente, vamos falar sobre o visto B1 B2, então fica ligado.

Muitos possuem dúvidas na hora de organizar uma viagem, principalmente quando o assunto é burocracia. Pois é, alguns países exigem visto para permitir a entrada de estrangeiros e os Estados Unidos é um desses.

Nesse sentido, já falamos aqui no blog sobre o visto F1, o J1 e hoje abordaremos algumas questões sobre o visto B1 B2. Ou seja, se você já tem certeza do seu destino de viagem e ele é o país norte-americano, segue aqui com a gente que você vai entender melhor sobre esse processo.

Seja para estudo, trabalho, negócios, turismo ou enfim, é necessário solicitar o documento para entrar no país. Depois que isso estiver claro para você, é preciso entender qual o foco da sua viagem para que você possa ter clareza do visto necessário.

Logo, como o assunto hoje é um tipo específico de visto, saiba que o visto B1 B2 é utilizado quando você opta por visitar, temporariamente, os Estados Unidos. Assim, o visto funciona em dois campos primordiais: lazer e turismo.

Se tratando de outras atividades a serem realizadas no país, você pode tirar alguns outros tipos de visto americano:

  • A-1 e A-2 (emitido para embaixadores, ministros, diplomatas, etc);
  • C-1 (pessoas em trânsito imediato, ou seja, que estão a caminho de outro país);
  • C-1 D (emitido para pilotos, comissários de bordo ou outros cargos de tripulantes);
  • F-1 e F2 (estudantes estrangeiros matriculados em instituições americanas);
  • J-1 (participantes de programas de intercâmbio voltados para trabalho ou estudo);
  • I-1 (representantes de mídia que viajam para trabalhar nos EUA);
  • L-1 (estrangeiros que viajam para trabalharem como executivos ou em cargos de gerência);

Como emitir o visto B1 B2

O primeiro passo acontece de forma online, que é o processo de preenchimento do formulário, o chamado DS-160. Nesse sentido, no momento, você deverá informar seus dados pessoais, além de responder alguns questionários sobre a viagem.

Perguntas como “você já esteve nos Estados Unidos antes?” compõem essa etapa. Mas, lembre-se, é preciso ser o mais honesto possível na hora de preencher esse formulário, assim você evita ser pego de surpresa.

Posteriormente, pague a taxa de solicitação e guarde o comprovante. É sugerido isso porque talvez, durante o processo, seja solicitado essa comprovação. Após isso, agende a sua visita, assinalando dia e local.

Serão duas etapas dentro de uma só, porque você deverá fazer uma visita ao Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV) e também deverá comparecer à entrevista no consulado ou embaixada.

Em seguida, vá ao CASV para fazer a fotografia e colher as informações biométricas. Nesse momento, é preciso portar alguns documentos, certo? Normalmente é solicitado: confirmação do DS-160, passaporte e confirmação do agendamento.

Assim, é chegada a hora da entrevista na baixada. Algumas pessoas são isentas de comparecer ao local, são elas: pessoas com 79 anos ou mais e jovens até os 14 anos. Logo, os que estão dentro dessa margem devem necessariamente estar presentes.

Apesar dessa ser uma das fases que mais leva medo aos participantes, não deveria ser assim. A nossa dica sempre estará em torno da verdade, seja fiel e transparente. Basta ter segurança do que deseja e de como passa isso durante a entrevista.

Além disso, se o seu formulário estiver dentro dos parâmetros e bem respondido, esse processo não será demorado. Por isso, confie e vá sem nervosismo, porque ele só irá te atrapalhar.

Passada a fase mais temida, é hora da entrega do passaporte. É nesse momento que você descobrirá se foi aceito ou não. Por isso, saiba que se você tiver seu passaporte em mãos automaticamente você provavelmente teve seu visto negado. Em outro caso, na perspectiva que foi aceito, você receberá o documento dentro de alguns dias na sua residência.

Quem precisa solicitar o visto BI B2

Se você deseja viajar temporariamente para os Estados Unidos, o visto B1 B2 corresponde às suas atividades, sejam elas de turismo ou mesmo de negócios. Logo, sem dúvida, esse é um dos vistos mais emitidos, já que grande parte dos visitantes são turistas.

O B1 está voltado para conferências, reuniões, cursos de curta duração ou algum outro fator envolvido com negócios. Já o B2 está diretamente relacionado à viagem de turismo, seja para visitar familiares, conhecer o país, etc.

Desse modo, cada caso é um caso, certo? Por isso, o tempo máximo de permanência nos Estados Unidos detendo esse visto é relativo. Ou seja, você só saberá por quanto tempo poderá ficar no país após a passagem pela imigração.

Se tratando da validade desse tipo de visto, na maioria dos casos, confere a 10 anos. Porém, quem definirá esse tipo de informação é o próprio consulado ou mesmo a embaixada. Mas, fique tranquilo, o visto tem uma durabilidade significativa.

Custo do visto B1 B2

Se tratando de custo em relação a emissão do visto, para ambos os vistos (B1  e B2), o valor custeado é o mesmo, que, em média, equivale a US$ 160. Obviamente que esse valor pode sofrer alterações, certo?

Além disso, saiba que esse valor pago não é reembolsado (mesmo que o visto seja negado) e que pode ser pago tanto no cartão de crédito como por boleto bancário. Ah, saiba que não é possível transferir a taxa para o nome de outro solicitante.

Sendo assim, o visto B1 B2 é uma opção para o seu tipo de viagem? Ou você deseja realizar um intercâmbio de estudo ou trabalho nos Estados Unidos? Pois bem, independentemente das suas dúvidas, comece a se planejar. É extremamente importante que esse processo seja realizado com cuidado para que você tome a melhor decisão.

Por isso, caso seja preciso, contate um de nossos especialistas em intercâmbio e descubra qual a melhor saída para você. Conte conosco para te guiar durante esse objetivo, não temos dúvidas que esse é o melhor caminho para você e para nós. Por isso, viaje, explore e mude!

Compartilhar

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email